Perdidos e achados

Ademir Assunção

arte: Arthur Cabral Braga

já me perdi aqui e ali
e não foi uma vez só

me perdi em porto alegre
em são paulo e maceió

achei rimas pra um poema
numa rua em barbacena

cantei blues e rock'n roll
num puteiro de ipanema

me assustei com frankenstein
numa tela de cinema

dei pernada até na sombra
ouvi sapo em sapopema

fiz que fui usei as pontas
pra poder sair do esquema

sem replay sem tira-teima
a vida esfria às vezes queima


letra: Ademir Assunção
música: Jordanna (inédita em disco)

Créditos do vídeo:

Faixa extraída da Mostra Mangue Cultural (11 de dezembro de 2020)
Música: "Perdidos e achados" poesia de Ademir Assunção musicada por Jordanna.
Poesia incidental: Viralatas de Córdoba ( Ademir Assunção)
Músicos: Daniel Szafran ( teclados) e Caio Góes ( baixo)
Realização: Associação Raso da Catarina
Estúdios: Via TV Eventos
Patrocínio: Secretaria Municipal de Cultura da cidade de São Paulo. 


Ademir Assunção é poeta, escritor e jornalista. Publicou 14 livros de poesia, contos, romance e jornalismo, entre eles A Voz do Ventríloquo, Pig Brother, Ninguém na Praia Brava, Adorável Criatura Frankenstein, Zona Branca e Faróis no Caos. Gravou os cds de poesia e música Viralatas de Córdoba e Rebelião na Zona Fantasma. Letrista de música popular, tem parcerias gravadas por Itamar Assumpção, Edvaldo Santana, Madan e Titane, entre outros. Jornalista profissional, trabalhou em jornais e revistas como Folha de São Paulo, O Estado de São Paulo, Jornal da Tarde e Marie Claire. Idealizador e curador da exposição Leminski: 20 Anos em Outras Esferas, sobre a obra do poeta curitibano. É um dos editores da revista literária Coyote.

Mais informações: www.zonabranca.com.br

Foto: Leonardo Valle


Arthur Cabral Braga estuda Artes Visuais na UNESP, é iniciado em técnicas de desenho pela Ebac, e aluno e frequentador do ateliê de Rubens Matuck.


Foto: Gustavo Cruz