Posições relativas

Joseane Souza

meu cara
quebrou o ritmo da minha respiração

chorei por você no chão de pedra

lascada

fundo do poço
a carne calcificada
comprimento altura largura miolo

todo corpo
através de um modelo matemático

eu me enganei

farejando seu cheiro na sua camisa favorita como se fosse meu baseado

queimando

demoradamente

grão a grão
dentro dessas faixas

meu cara
um tombo dessa altura deve doer

eu te falei
deslocamentos
essa magnitude

o chão
maciço sólido rochoso

duro opaco raro
concreto armado o ferro frio

não ser violado nem corrompido

comprimir tracionar resistir
efeitos
imensuráveis

no corpo de prova

supostamente caiu do céu
pequenas casas sobre um rio
206 ossos
32 dentes

tirei os óculos para chorar
hoje não vou escrever sobre nossa história

evoluir nessas análises
dou o nome a este estado de consistência

estou aqui
do lado de fora da sua cova

Joseane Souza é escritora-artista-poeta, aluna do mestre Marcelino Freire, membro da Escola Livre de Artes Arena da Cultura de Belo Horizonte, onde segue aprendendo e desenvolvendo práticas e ações audiovisuais, atuando em roteiro, fotografia e edição de sons e imagens. Graduanda em Engenharia Civil pela UFSJ, contribui com o Coletivo Feminista Mulheres em Movimento e no CAEC como assessora política. Escrevendo seu primeiro livro, O ladrão sou eu, compartilhando olhares, trabalhos, exercícios e processos nas redes em @oladraosoueu.