Reencontro
Humberto Conzo

arte: Observação, foto bordada, Rita Alves

Eu lhe trouxe flores.

Mas parece que outros tiveram a mesma ideia, não é?

Você sempre atraiu a atenção de todos.

Sua pele sempre tão branca e lisa. Seus cabelos cacheados, dourados. Você sempre pareceu uma boneca.

Impossível ser discreta, eu sei. Mas você também parece que sempre gostou disso. Sempre soube tirar vantagem da sua aparência.

O tempo foi generoso com você. Ainda está parecendo uma grande dama. Está até um pouco mais magra. Pelo que eu me lembro, ainda usa o mesmo batom.

É claro que eu me lembro, é sim a mesma cor de batom. Quantas vezes eu beijei sua boca e senti o gosto deste seu batom? E quantas vezes eu sonhei em beijá-la novamente depois que você me largou? Eu poderia beijá-la agora? Eu poderia.

Eu vou me comportar aqui Laura. Pode deixar, não vou chamar atenção. Não vou manchar a sua imagem. Não vou borrar a sua boca. Ficarei quieto aqui no meu canto.

Ainda não me conformo que você tenha me trocado por aquele cara mais velho. A gente podia ter dado certo, poderíamos ter sido felizes, Laura.

Você nunca se arrependeu, não é? Nem mesmo quando ele morreu e te deixou viúva?

Você soube levar sua vida adiante, eu sei. Ele te deu o filho que não tivemos. Eu sei quem ele é, ele tem os seus olhos, Laura. Ele foi educado comigo quando cheguei.

Mas eu não Laura, não consegui seguir em frente sem você. Eu tentei algumas vezes, mas não tive a sorte de encontrar a mulher certa. Talvez eu é que nunca tenha sido o cara certo pra ninguém.

Eu pensei em lhe procurar quando ele morreu, Laura. Talvez fosse a chance de começarmos de novo, mais maduros. A vida ensina a gente. Eu podia ter sido um pai pro seu filho. Eu podia ter dado uma vida melhor pra vocês, Laura. E você poderia ter me dado uma vida.

Queria muito levantar seu véu e beijar sua boca, Laura. Como se fosse minha noiva outra vez. Você guardou nosso álbum, Laura? Nossa fita do casamento? Queria eles para mim. O que seu filho fará com essas coisas?

Mas não vou falar nada, prometo. Eu só quero te olhar mais um pouco, nem que seja de longe. Será a última vez, Laura. Mas não me conformo com essa ideia. Antes pelo menos eu tinha sempre a esperança de te ver andando pelas ruas. Por isso eu nunca mudei de cidade e sempre continuei frequentando o seu bairro, Laura. Trocar um bom dia na padaria, um como vai no supermercado. Aconteceu várias vezes, você se lembra? Quase nunca foi por acaso. Foi sempre por amor, Laura. Ninguém pode enterrar o meu amor.

E é por isso que ainda não vou embora, Laura. Ficarei aqui a noite toda. Quero ver o sol nascer ao seu lado, como quando fomos felizes. Eu sei que te fiz feliz por algumas manhãs, Laura. E que também te fiz chorar por uma ou outra noite.

Hoje sou eu que choro, um pouco de raiva, um pouco por inveja e muito por sua falta, Laura. Mas continuarei fiel a você. Sem me importar com o que os outros vão pensar. Quero ser o último a olhar pro seu rosto, mesmo sem que você me veja, Laura, estarei aqui até que fechem a tampa. E se não posso te carregar no colo, como em nossa lua de mel, segurarei ao menos uma das alças, sentindo um pouco do teu peso.


Humberto Conzo Junior Biólogo e historiador formado pela USP, já publicou quatro livros infantis pelas editoras WMF Martins Fontes e Matrix. É apresentador do Canal Literário Primeira Prateleira. Mediador de leitura do Clube Plexi e idealizador do Clube de Literatura Brasileira Contemporânea. Já realizou oficinas literárias com nomes como João Silvério Trevisan, Carola Saavedra e Marcelino Freire. Em 2018 participou do Curso Livre de Preparação do Escritor, CLIPE, promovido pela Casa das Rosas. Atualmente trabalha em seu primeiro romance.

foto: Luís Câmara


Rita Alves é artista visual. Criou a marca de bordados Dona Rits (@donarits) e é idealizadora do projeto de intervenções urbanas bordadas Cabe Mais Amor (@cabemaisamor). Além de ministrar oficinas de bordado livre, também é integrante do projeto Bordado e Literatura (@bordadoeliteratura). Em 2019, expôs na Casa Elefante a mostra Agulhada, com fotos bordadas e foto-objetos.

Para ler outros textos desta edição

Edições anteriores