Vê Só

Quem você indicaRia?

Nesta edição, faremos diferente. A equipe Ria (tanto da RevistaRia quanto da Ria Livraria) vai fazer uma única indicação, de um artista que é nosso parceiro e está empenhado na adaptação do novo espaço que a Ria vai ocupar a partir de 2021, fiquem atentos que aí vem novidade!
E como nas entrevistas desta #8 houve uma espécie de mini Vê Só, pedimos licença para pegar emprestado os indicados de nossos convidados, para dar-lhes ainda mais destaque. Confira abaixo.

Equipe Ria indica:

Conceição Hudson e sua arte maravilhosa em papel reciclável, diretamente de Parati, pra fazer parceria com a equipe da Ria Livraria, nossa livraria de rua, que preza pelas artes e pelas linguagens plurais de todos os tempos. 

Salve a arte que recicla!

Conceição Hudson na frente do novo espaço da Ria Livraria, 
Rua Rodésia, 22 (previsão de abertura para janeiro de 2021).

Valéria Barcellos indica:

Indicar um livro no momento é difícil porque é lógico que vou indicar o meu Transradioativa: você me conhece porque tem medo ou tem medo porque me conhece? [risos]. Mas também indicarei um livro chamado: Antologia Trans, 30 poetas Trans, Travestis e Não Binários (Invisíveis Produções, 2018). Além desse, gosto de Toureando o Diabo, de Clara Averbuck e Eva Uviedo (2015), e Contos Transantroplógicos (Editora Taverna, 2018), de Atena Beauvoir Roveda. Eu sei que você falou para dizer só um, mas estou tão sedenta de literatura que não consegui fazer isso.

Disco? Gosto muito do novo trabalho de Natania Borges e Azenza, o disco Liberdade. É um trabalho incrível no disco. Todo visual vale muito a pena conferir. Traz negritude, questões trans e muita ancestralidade. Recomendo!

Karine Bassi indica:

Eu indico o livro Pedra sobre Pedra, da Zainne Lima da Silva. Na verdade, eu indico todas as obras literárias escritas por ela, como seu livro de contos, Pequenas Ficções da Memória.

Zainne é escritora contemporânea, lá de Taboão da Serra, SP. Tem uma escrita muito forte e viva, fala de racismo, de apagamento histórico, de valores que devem ser atribuídos a corpos negros silenciados. É potente, certeira, crua. Tem uma autoridade na escrita que é impagável.