Voltar para casa depois de horas na rua

Angélica Freitas

voltar para casa depois de horas na rua, em busca de uma experiência esplêndida

inchando com ar o tórax, voraz com o ar no tórax, vivendo o momento

com as solas bem sujas no solo, com as solas bem pegadas ao pavimento

aleluia, porque eles querem minha cabeça baixa, me querem

comprando num shopping

procurando as últimas revistas


quem poderia caminhar assim na rua tão solta

com a cabeça cheia de zorrilhos


sentir a chuva no encalço

os pulmões cheios

querendo somente uma experiência esplêndida, voltar com ela pra casa

escrever um poema


escrever

escrever

escrever o quê, com a cabeça cheia de cenouras

de ceroulas de senhoras de cebolas de centímetros

de drummond

*

virar a chave na porta, deixar em cima da mesa

como três patos mortos a ideia do poema

repetir quantas vezes necessário

voltar pra rua até que aprenda

arte: Arthur Cabral Braga


Angélica Freitas nasceu em 1973, em Pelotas, no Rio Grande do Sul. Publicou Rilke shake, em 2007, um útero é do tamanho de um punho, em 2012 (Cosac Naify), e Canções de Atormentar, em 2020 (Cia. das Letras). Sua obra já foi traduzida na Argentina, na Espanha, no México, nos Estados Unidos, na Alemanha e na França.




Foto: Dirk Skiba


Arthur Cabral Braga estuda Artes Visuais na UNESP, é iniciado em técnicas de desenho pela Ebac, e aluno e frequentador do ateliê de Rubens Matuck. 


Foto: Gustavo Cruz