Má estrela
Ian Uviedo

Escrever sobre a cidade que escapa aos meus pés. Escrever sobre suas zonas de cor e escuro. Sobre figueiras de copas vermelhas e sirenes que me envolvem enquanto escrevo. Esquecer da dor, da insatisfação, da culpa e do desejo. Esquecer do frio nos pés. Escrever sobre o apartamento sem janelas. A cidade contamina os sonhos. Abro os olhos, do outro lado, e vejo suas luzes. Sinto-as no rosto, nas mãos: são colunas acesas que vão de encontro a estalos de consciência. Escrever sobre as luzes. Outra vez e ainda outra. Escrever sobre calçadas de cafés onde não estive, onde não fumei cigarros metido no meu casaco inglês, onde não sumi ao sol. Escrever enquanto chove por detrás. Escrever sobre a cidade que desmorona dentro de nós. A palavra é megalópole. E a imagem sou eu mesmo andando à beira da rua com o guarda-chuva e o gosto áspero das coisas não concretizadas. A imagem é de alguém sentado na porta do bar depois que todos já foram embora, sem nada, esperando a tempestade passar para poder marchar junto ao incerto. Escrever sobre a cidade que escapa das mãos. Escrever sobre o sol que toca o copo e cria padrões incríveis. Esquecer a melancolia, os assaltos, as dívidas. Ignorar o apodrecido, o chão manchado, as pequenas coisas abandonadas. Saltar do galho da figueira e num segundo subir à cidade que aguarda a catástrofe. Escrever sobre a catástrofe. De como engatinhei em sua direção. E se um dia me ergui foi só para apanhá-la no ar. Escrever histórias sobre a cidade. Esquecer que a cidade perdeu seu contador de histórias e com ele a cidade perdeu sua infância. Esquecer a infância. Olhar para as basculantes de onde pendem e vibram pensamentos sem fio, sem força. Escrever sobre a tensão e a eletricidade desse lugar. Escrever até os dedos pararem. Escrever até as gotas caírem. Escrever até a primeira martelada. Escrever. Esquecer. Escrever e, escrevendo, esquecer a cidade.  


Ian Uviedo é artista, escritor e livreiro na Ria.
Faz parte do grupo de criação coletiva e experimentações gráficas La Tosca, que participa de feiras de arte impressa e publicações no Brasil e exterior, pela qual publicou Recusas (2019), Mal Contato (2019), Os Gatos (2018), Mapa de la Inseguridad (2018) Assovio (2018) e Apocalipses (2018), que variam entre contos, fotografia experimental, desenho e livro de artista. Também integrou as antologias Submarino: relatos rápidos para leitores de fôlego (2018), e Submarino 2 (2019), ambas organizadas pelo escritor e jornalista Ronaldo Bressane. Em 2019 publicou sua primeira novela: Éter - Novela de Narcolepsia, pela paraguaya Editora de Los Bugres. 

foto: Camila Kohn

O videopoema foi editado por Ian Uviedo.